Saiba como funcionam as lojas virtuais colaborativas e e-marketplaces

A ascensão de lojas virtuais colaborativas e e-marketplaces possibilita o desenvolvimento de estratégias de marketing digital cada vez mais interessantes e inovadoras para o e-commerce. Para não ficar de fora dessa nova tendência é importante entender como os dois tipos de negócio funcionam. Aproveite os recursos oferecidos e faça bom proveito como empresário ou consumidor.

Lojas virtuais colaborativas

As lojas virtuais colaborativas são um modelo de negócio em que determinado estabelecimento comercializa trabalhos de diversos profissionais. Elas podem fornecer produtos ou serviços por meio de consignação ou locação de espaço.

É uma boa alternativa para os profissionais divulgarem e comercializarem seus trabalhos. Dessa forma, contribuem para a consolidação da marca no mercado e a formação de um público consumidor, principalmente no início de carreira.

E-marketplaces

Nesse e-commerce colaborativo são comercializados bens e serviços. A palavra representa uma junção dos termos em inglês “market” (mercado) e “place” (lugar). O mercado pode se situar em um local físico ou em um espaço virtual.

Pode-se dizer que se trata de um shopping ou mercado virtual com dois níveis. Um para lojistas e outro para consumidores. O e-marketplace pode ser designado também para um determinado segmento ou um shopping virtual com lojas e departamentos que contemplem áreas diferentes.

Diferenças entre lojas virtuais colaborativas e e-marketplaces

No e-marketplace, a navegação é sempre contínua, muito semelhante a uma loja virtual, porém com a possibilidade de acesso a centenas de vendedores em um único site. Funciona como uma feira virtual. Os valores pagos pelas compras efetuadas são divididos pelo sistema entre o administrador, lojista e instituição financeira, independentemente da compra conter produtos de diversos vendedores diferentes. Isso permite maior transparência e liberdade entre todas as partes envolvidas.

Em lojas colaborativas, o comerciante aluga um espaço no site para divulgar e comercializar seus produtos e serviços colocando o consumidor em contato direto com o produtor. Isso pode significar preços melhores. Esse tipo de negócio permite ainda frequência de surgimento de produtos e serviços inovadores no mercado.

Para cada uma dessas modalidades a internet disponibiliza um ambiente específico, geralmente chamado de plataforma direcionada. Mas, vale ressaltar que aqueles que se antecipam aos movimentos de mercado são beneficiados com grandes ganhos gerados pelo e-commerce.

Prós e contras de cada modalidade

Pontos positivos do e-marketplace

A audiência é intensa. Existem variados tipos de produtos e serviços comercializados em um mesmo local, além de especialistas em diversas áreas. Os preços são acessíveis.

Pontos negativos do e-marketplace

Não existem padrões. A seletividade é maior com o passar do tempo e canais de mídias não são comercializados.

Pontos positivos das lojas virtuais colaborativas

Possuem abrangência muito maior do que uma loja física, já que funcionam 24h por dia, gerando ainda mais lucros. Não há a necessidade de ter mercadorias em estoque. O investimento é bem menor.

Pontos negativos das lojas virtuais colaborativas

Perda do poder de negociação de preços e condições de pagamento são características do negócio. O cliente fica incapaz de verificar fisicamente os itens que está comprando, o que pode dificultar a venda. A cobrança de frete, que é um dos inibidores das compras online, e falta de referência e local onde clientes possam encontrar o vendedor são outros pontos negativos.

Você já pensou em utilizar uma loja virtual colaborativa e ou,  e-marketplace como parte da sua estratégia de negócios? Conte para gente como foi sua experiência nos comentários!

melhor-resultados-de-marketing

[epico_capture_sc id=”1976″]