As empresas de tecnologia da informação (TI) compõem o grupo dos segmentos que mais investem em marketing e vendas no Brasil.

Isso se deve pelo excesso de concorrência neste mercado, mas também pelo fato de que uma gestão mais orientada a dados tende a ser mais calcada em informações que podem ser transformadas em conteúdos e ações de marketing.

Contudo, há ainda alguns erros sendo cometidos por muitas dessas organizações. E é sobre isso que vamos conversar ao longo deste artigo.

Continue lendo para entender quais equívocos não podem mais ser cometidos!

1. Não ter um público-alvo bem definido

A definição do público-alvo é fundamental para qualquer planejamento e plano de ação relacionado a marketing e vendas.

Somente conhecendo com profundidade quem são os públicos de interesse do negócio é possível atrair consumidores e se relacionar com eles de uma maneira estratégica e eficaz.

E a definição de público-alvo deve ser profunda, ou seja, deve contemplar desde as motivações que fazem com que pessoas (B2C) e empresas (B2B) buscam por recursos e serviços tecnológicos até a forma com que a marca vai se dirigir ao público (linguagem, tom de voz, tipos de conteúdos etc.).

2. Ser resistente aos novos métodos de marketing e vendas

Por incrível que pareça, muitas empresas de tecnologia ainda se prendem a métodos tradicionais de marketing e vendas.

Muitos gestores de tecnologia são reticentes a métodos como Inbound Marketing, Marketing de Conteúdo, Inbound Sales etc.

E isso é um problema, visto que toda a movimentação mercadológica hoje em dia tem forte influência da transformação digital.

Sem falar nos custos elevados de seguir fazendo anúncios em emissoras de rádio e TV, periódicos impressos etc.

Marketing e comunicação feitos no ambiente online oferecem inúmeros benefícios que não podem ser desprezados pelas empresas de tecnologia, incluindo controle de custos, menor gasto para aquisição de novos clientes, possibilidade de segmentação das ações e facilidade de mensuração de resultados.

3. Não traduzir o “tecniquês”

Pessoas e empresas não adquirem softwares e serviços tecnológicos por causa de suas qualidades técnicas.

O que o público procura é resultados reais, facilidades para a complexidade do seu dia a dia, seja ele pessoal ou empresarial.

O excesso de “tecniquês”, ou seja, o uso de jargões ou termos técnicos, tende a dificultar a comunicação das empresas de TI com seus públicos de interesse.

Esse tipo de comunicação deve ser usado com profissionais de TI e não com gestores de negócios, por exemplo.

4. Não publicar cases de sucesso

Uma outra tática de marketing que muitas empresas de TI desconhecem é a publicação regular de cases de sucesso, histórias de projetos bem-sucedidos nas quais os clientes dão depoimentos atestando os resultados obtidos.

Os cases de sucesso, quando bem elaborados e publicados, têm o poder de evitar que a comunicação de uma empresa de tecnologia pareça autoelogio.

Ao mesmo tempo, geram aproximação com o público-alvo, elevam o valor percebido dos serviços e produtos, promovem reputação da marca, entre outras vantagens.

5. Não integrar marketing e vendas

Este não é um problema exclusivo das empresas de tecnologia, mas acontece bastante: os times de vendas e marketing atuam totalmente separados.

Há dez anos, isso era até aceitável, uma vez que a maioria dos negócios sequer entendia direito o que era o marketing. Hoje, não mais.

Hoje é preciso que os times que trabalham a marca atuem na captação e na qualificação dos leads para entregá-los ao comercial já preparados para uma abordagem de vendas.

Por outro lado, o time de vendas também precisa interagir mais com o pessoal de marketing, fornecendo informações sobre o mercado, auxiliando na produção de conteúdo (indicações de pauta, por exemplo), facilitando o acesso aos clientes ativos para a construção de cases etc.

A integração de marketing e vendas se dá também no nível gerencial. Empresas modernas agora criam indicadores de desempenho e metas conjuntas para os dois times.

E isso é facilitado por softwares de CRM, sistemas de automação de marketing, soluções de BI, entre outras ferramentas tecnológicas.

6. Insistir em fazer marketing e vendas internamente, mesmo sem equipe e expertise suficientes

Por fim, mas não menos importante, a insistência em assumir a estratégia de marketing e comunicação sem ter equipe e conhecimento suficientes também é um equívoco de muitas empresas de TI, sobretudo pequenas e médias.

A contratação de consultorias especializadas têm sido a tábua de salvação de organizações de todos os portes e em todos os segmentos de atuação.

Isso porque um bom parceiro pode ajudar no planejamento e na execução de ações de marketing digital, por exemplo, com um custo menor e visando acelerar os resultados.

Como sua empresa de tecnologia tem trabalhado suas ações de comunicação e marketing? Alguma dessas falhas citadas acima ainda persistem na sua operação? Deixe seu comentário!